Música - Wes Anderson

15 julho, 2016 |

Mesmo não sendo a primeira vez, esses ataques violentos contra cidadãos inocentes me chocam demais. Fico imaginando quantos dias felizes e perfeitos foram tragicamente encerrados, quantas férias planejadas e esperadas finalizaram antes da hora. E o pior é pensar que essa violência acontece com muito mais frequência do que a mídia comunica, nem sempre em cidades turísticas e famosas, mas em lugares que vivem uma guerra declarada e constante.
Me parece que num mundo de tão dura realidade a fantasia e a imaginação, junto com nossas boas energias, são cada vez mais necessárias.

E pra melhorar um pouco o mood dessa sexta, trago uma das minhas soundtracks favoritas, dos filmes do Wes Anderson. Sou apaixonada pelo trabalho dele, pelos personagens e por todo o mundo fantástico que ele cria. Quem dera a vida real pudesse ser como alguns dos filmes dele.


Roupas e bem-estar

13 julho, 2016 |


Na minha adolescência comecei a me importar com a minha aparência e a desenvolver um senso de estilo que até então eu desconhecia. Acho que isso acontece com a maioria das pessoas, principalmente por ser uma fase em que a vaidade começa a despertar e a importar, pelo menos na nossa cabeça, né?
Com o tempo minhas preferências pra roupas, sapatos e estilo no geral foram ficando cada vez mais pessoais. Não sou mais daquelas que usa o que está na moda (confesso que já tive essa fase), hoje escolho o que quero usar pensando no que realmente combina comigo. Não montando uma imagem que quero passar, mas sim olhando pra uma peça e me identificando com ela na hora, como se ela já fosse minha há tempos ou tivesse sido feita pra mim.
Esse meu sentimento de intimidade com as roupas e sapatos que tenho ou compro fazem eu me sentir mais eu mesma, o que é um benefício em vários aspectos. Vestir peças que acho a minha cara me dá confiança, faz eu me sentir mais confortável e até melhora meu humor. Me arrisco a falar que rola até um sentimento de respeito por mim mesma, sabe? Pelo fato de respeitar minha opinião, meu estilo.
E desde que cheguei nessa relação sem neuras e o mais natural possível com as roupas, outras duas coisas passaram a acontecer: criei o hábito de doar coisas do meu armário com mais frequência e passei a gastar menos com roupas, pois me desapego do que já não me identifico e ao mesmo tempo crio um guarda-roupas com menos quantidade e mais identidade.
Não acho que se preocupar com o que a gente veste é luxo ou futilidade, mas sim é uma forma de autoconhecimento e, na prática, é um retrato de como vemos o mundo. O consumo exagerado sim é a futilidade que existe quando falamos de moda. Acho que consumir o necessário e aliar isso ao nosso bem-estar é simplesmente uma escolha inteligente que podemos fazer.

E vocês, o que acham? Se identificam com isso?

Bjs,


Jéssica

Meu tempo longe das redes sociais

21 junho, 2016 |


 Desde abril resolvi dar uma pausa nas redes sociais, precisava de um tempo longe pra enxergar e viver mais a vida real e evitar distrações. Por mais que a internet já faça parte do nosso dia-a-dia e seja fundamental pra comunicação e informação, existe uma linha beeem fininha entre a normalidade e a perda excessiva e irrecuperável de tempo em sites como Facebook e Instagram, por exemplo. Ambos podem ser ótimas fontes de informação se bem usados e até fonte de renda pra quem se dispõe, mas existe uma infinidade de outros lugares pra se informar, entreter e aprender. Por isso parei, larguei Face, esqueci do Insta e voltei meu tempo para o mundo palpável e real e não mais o virtual. Até o blog eu desativei, precisava de um tempo novo, uma folha em branco pra descansar os olhos, sabe? E com pouco mais de dois meses desse novo hábito consegui entender algumas coisas importantes e que melhoraram minha vida.

#Same time, more satisfaction
Nao importa o quanto eu planeje ou me organize, o quanto deixo de enrolar na cama pra levantar, ou o quão rápido eu faço minhas tarefas, no final da maioria dos dias sinto que não tive tempo suficiente. Queria ter feito mais, melhor. Queria não ter que precisar dormir, queria mais tempo e mais uma de mim, no mínimo. rs E isso nao vai mudar, provavelmente é uma sensação pessoal que vai sempre fazer parte de mim. Mas ao deixar de passar meu tempo em redes sociais consegui fazer outras coisas que estavam pendentes (na minha lista mental de pendências), e como eu desconfiava, que me agregaram algo e me fizeram me sentir melhor do que quando eu perdia horas vendo minha timeline. Escolher com o que a gente gasta nosso tempo é a escolha mais importante que fazemos várias vezes ao dia e que não damos muita importância. Percebi que ter consciência de que precisamos gerenciar o tempo não  ajuda apenas a fazermos mais coisas, mas ajuda a acabarmos o dia mais satisfeitos também. Entendi que tudo bem não conseguir fazer tudo o que eu queria, contando que eu tenha feito coisas que valeram a pena.

#Real selfie
Eu amo tirar fotos e isso é outra coisa que não vai mudar em mim. Eu nem tinha ouvido falar de internet quando ganhei uma máquina fotográfica de presente quando criança, mas congelar e reviver momentos através de imagens sempre foi e é fascinante pra mim. Amo o Instagram por causa disso, porque além de reunir minhas fotos, tenho acesso aos mais diferentes e distantes lugares. E ver outros mundos sem sair de casa é algo que acalma minha alma viajante e presa dentro de uma rotina (mais alguém sente isso?).
Porém, deixar um pouco esse hábito de lado, me deu a chance de observar mais as imagens e "fotos" ao meu redor. Não estou falando apenas de observar coisas bonitas, mas sim de estar mais atenta ao mundo real e voltar minha atenção pra perceber onde eu poderia atuar, o que eu poderia fazer diferente e melhorar. Situações assim surgiram desde de dentro de casa, ao me oganizar mais e retomar costumes meus que eu jurava não ter mais tempo pra fazer, até descobrir novos potenciais pra desenvolver no trabalho, por exemplo. Resumindo, olhei mais pra minha imagem, observei mais minhas expressões e meus ambientes. E minha comunicação com as pessoas ao meu redor melhorou absurdos! Aprendi que o olhar pra fora e explorar e admirar as belezas do mundo me inspira e muito, mas fazer um deep dive na minha própria vida me fez muito mais bem em dois meses do que os meus anos de Instagram. rs

#New internet, new life
Foram vários os os motivos que fizeram eu decidir desativar meus perfis nas redes sociais: a sensação de perder tempo demais com nada realmente importante, a volta da privacidade (as vezes essa palavra nem parece real hoje em dia né) e também o fato de eu ter entendido um novo lado da internet, muito além das redes sociais, e o que me fez achá-las um pouco tediosas e limitadas pra falar a verdade. Entao quebrar esse hábito foi importante pra eu acessar a intrnet por outros motivos e descobrir outras e verdadeiras utilidades. A internet me parece muito maior e mais útil agora e essa nova forma de utilizaçao que encontrei agrega muito mais pra minha vida. Ainda tenho os perfis que me inspiram no Insta, os álbuns que gosto no Pinterest, mas isso é só uma gota perto do mar de informações e inspirações que encontro pro meu dia-a-dia. Mar de coisas que realmente facilitam minha vida, minha comunicação, meu desenvolvimento e me ajuda até a planejar meu futuro. Se eu dizer que estou mais esclarecida sobre objetivos, mais focada e determinada vocês acreditam? Pois é sério!

Com tudo isso em tão pouco tempo, não tenho dúvida que fiz bem em deixar meus perfis um pouco de lado e reduzir quase totalmente o uso das redes sociais. Continuei me comunicando e até melhor com as pessoas bem presentes na minha vida, evolui meu consumo d einformação saindo do padrão "vi no Face", arranjei tempo pra ler livros de novo e criei mais tempo pra realmente estar presente nos lugares. Gastei algumas horas nesse final de semana escrevendo esse post e retomando o blog, mas só porque continuo acreditando que  a internet é umk bom lugar para compartilhar boas experiências. 
E cmo já disse aqui, o blog é uma forma pessoal de fazer isso: não vai pipocar nada na sua tela de repente e pra mim é como um diário (não tão diário assim, né? rs).

E se vocês se sentem meio engessados com esse mundo de rede social e exposiçao forçada, eu indico simplesmente sair . Tem muita vida real sem isso e ela é muito mais legal!
E por aqui teremos mais posts no ritmo da minhas inspiração e conforme meu trabalho permitir, porque essa falta de tempo eu ainda não consegui resolver. rs Um dia, quem sabe! ;)

Beijos,

Jéssica    

Baseball Cap

11 abril, 2016 |

Sempre tem uma tendência me chamando mais a atenção. Hoje em dia são tantos estilos desfilando por aí, que a graça é se vestir do que se tem vontade. Só esse mês meu olho já brilhou pra peças femininas do anos 70, camisetas despojadas, saias lápis e agora os bonés de baseball. Nenhuma dessas tendências invalida a outra, mas só confirma como amo brincar com a moda e me vestir conforme meu humor.  Pra aproveitar a inspiração, separei uns looks informais que ganham muito charme quando combinados com um boné de tamanho e estilo certo. Eu sempre gostei de bonés e tenho achado um dos acessórios mais interessantes do momento.



E vocês, gostam?
Bjs,

Jéssica

Stretch yourself

06 abril, 2016 |


Eu nunca fui muito flexível, mas sempre achei incrível quem consegue encostar nos pés ao se inclinar ou aquelas pessoas que conseguem fazer aquelas poses mega difíceis de yoga. Duas coisas, até hoje, impossíveis pra mim. Mas como a grande maioria das coisas nessa vida, é só questão de prática. 
Ouvi uma professora de yoga falar que para melhorar a flexibilidade basta repetir diariamente o alongamento. É só focar em alguma parte que você quer aumentar a flexibilidade e repitir a posição diariamente. Segurar por um minuto, descansar um pouco e depois segurar a posição por mais 30 segundos. Com o tempo vamos ganhando flexibilidade e a prática fica mais fácil. Simples, né?
Junte com a prática da respiração consciente do yoga e pronto: um momento saudável e relaxante no dia.



De acordo com o site "Melhor com Saúde""Melhor com Saúde", os benefícios do alongamento são:
  • Reduz o risco de lesões musculares 
  • Reduz as tensões musculares, relaxando a musculatura;
  • Aumenta a flexibilidade e amplitude dos movimentos
  • Prepara a musculatura para o exercício, tornando mais fáceis algumas atividades físicas 
  • Melhora a circulação sanguínea, prevenindo contra problemas de articulação 
  • Melhora a coordenação motora;
  • Previne problemas posturais;
  • Auxilia no relaxamento mental;
  • Diminui o estresse;
  • Contribui para a cicatrização óssea, em casos de fratura;
  • Desenvolve a propriocepção (consciência corporal), à medida que a pessoa concentra-se na parte que está sendo alongada;
  • Reduz as cólicas menstruais;
  • Ajuda no aquecimento, à medida que eleva a temperatura corporal.

Beijos,

Jéssica